TERÇA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2019
DATA: 02/12/2019 | FONTE: metropoles Lula? Bolsonaro? Saiba quem são os verdadeiros inimigos do Brasil O mais errado de tudo está na cara de todo mundo: a casta de parasitas que ocupa regiões inteiras do funcionalismo público nacional
KACIO PACHECO/METRÓPOLES

A vida passa, o tempo voa, os governos mudam de Lula para Bolsonaro e o Brasil continua sem saber quem são os seus inimigos reais – aqueles que funcionam como um exército de ocupação, extorquem o seu dinheiro pelas mais diversas formas que o ser humano pode imaginar e impõem, no fim das contas, uma tirania não declarada sobre toda a população do país.

Ou melhor: sabe-se muito bem quem são eles, até porque estão dia e noite em todas as plataformas da mídia. Mas não há mais ânimo, nem meios, nem força para combatê-los. O resultado é que fica todo mundo procurando saber o que há “de errado com esse país”, e o mais errado de tudo está na cara de todo mundo: a casta de parasitas que ocupa regiões inteiras do funcionalismo público nacional.

Concentram renda. Consomem recursos que pertencem a todos. Emperram o funcionamento da máquina que devia servir a população. Obrigam pessoas e empresas a obedecer a regras que não existem na lei – são legisladores, executivos e juízes ao mesmo tempo. Levam o país a dispender três vezes mais esforço, trabalho e energia para avançar cada decimal de ponto no crescimento do PIB.

Grande parte da atividade realizada hoje pelo poder público brasileiro, talvez a maior parte, consiste na tarefa, jamais terminada, de atender essa gente – nomear, pagar, dar aumentos, apaziguar, fazer com que se reproduzam.

Sua modalidade mais degenerada, provavelmente, são os cargos chamados “DAS”, uma manada que tem entre 20.000 e 25.000 pessoas só no governo federal. (Ninguém, nem com os programas de computador mais irados, sabe ao certo quantos são.)

Consomem quantidades desconhecidas de dinheiro do erário em salários e benefícios – acima de R$ 1 bilhão por ano, certamente, mas podem estar custando muito mais que isso ao contribuinte.

Não têm, ao contrário do que se exige da imensa maioria dos servidores públicos, de prestar concurso ou demonstrar qualquer competência para ocuparem os seus cargos. Eles são de “nomeação livre” do Poder Executivo, que os utiliza como moeda de troca para obter votos e apoio no Congresso.

São apadrinhados de senadores e deputados que chantageiam o governo 365 dias por ano com o mesmo problema: ou vocês nomeiam quem eu estou pedindo, ou então eu viro oposição na hora de votar seja lá o que for.

Isso é só um pedaço da tragédia. Nos níveis estaduais e municipais, a casta dos ocupantes de cargos de “livre provimento” deve andar por volta de 800.000 apaniguados. A despesa com eles, como ocorre com os demais números nessa salada, é incerta – mas tem sido calculada em alguma coisa entre R$ 30 bilhões e R$ 35 bilhões por ano.

Não se pode esquecer, enfim, os premiados com “funções especiais”, presentes também na área federal, e todos os que se beneficiam da usina de produzir trapaças no serviço público que funciona em tempo integral do Oiapoque ao Chuí. Melhor parar por aqui.

Há ainda muita coisa que poderia ser dita, mas será mais do mesmo. O fato é que está aí, nessa multidão que ocupa o verdadeiro centro nervoso do “debate político” no país, o mais intratável inimigo de toda a sociedade brasileira.

 

Em suma: quer saber por que falta tanta coisa, em termos das necessidades mais elementares, para a população? Porque riquezas que são devidas a todos vão direto para a turma do “livre provimento” e dos políticos que a controlam.

Estão discutindo furiosamente, neste exato momento, a “liberação” de mais nomeações. Depois vão lhe dizer, nas mesas redondas de especialistas, que o Brasil está diante de graves problemas de “articulação política”.

 

 

Por J.R. GUZZO



09/12/2019 VÍDEO: deputado Dagoberto é hostilizado no aeroporto de Campo Grande
07/12/2019 Comércio de cidade baiana fecha durante velório de Zé de Lessa morto em MS
06/12/2019 Governo paraguaio licita projeto para a construção da ponte sobre o Rio Paraguai
05/12/2019 Bolsonaro sanciona Lei que cria o ‘Dia Nacional do Rodeio’
Untitled Document

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player